Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

27
Nov20

Sugestão de Homilia


Oliveira

1.º DOMINGO DO ADVENTO - ANO B

Vinda do Redentor – Esperança - Vigilância

     Irmãs e irmãos, iniciamos o tempo do Advento. Esta palavra significa “vinda”, e refere-se ao Messias, que veio no primeiro Natal em Belém; vem todos os dias; virá na sua glória no fim dos tempos. Vem como Redentor, responde à esperança, que nos leva a estar vigilantes.  

  1. Advento: um desejo de fé e esperança

Primeira leitura

     A primeira leitura mostra-nos que o povo tinha conhecimento de Deus revelado na sua história. Por isso, rezou assim Isaías: “Vós, Senhor, sois nosso Pai e nosso Redentor”. O profeta reconhece Deus como Pai e redentor, mas sente que era preciso ter essa presença, e rezou: “Ó se rasgásseis céus e descêsseis!”  O povo esperava a vinda do Messias. Essa oração de Isaías mostra um grande desejo, mostra fé e esperança: sentimentos de sempre, e de modo particular do Advento.

     Irmãos, hoje nós sentimos esse desejo, da vinda de Jesus? Sentimos que Deus é indispensável para a nossa humanidade? Sabemos que só com Ele a História tem sentido, caminho, futuro?  

     O Messias já veio. Mas é necessário o nosso encontro com Ele. A fé em Jesus é vida. O mundo precisa de fé e de vida. Precisa de Deus. Ó se rasgásseis o céu e descêsseis! Precisamos do nosso encontro com Ele.

  1. Advento: Encontro com Jesus.

Segunda leitura

     São Paulo mostra-se feliz pela comunidade ou Igreja em Corinto, que foi enriquecida com as graças do Senhor Jesus. Diz o Apóstolo: “Dou graças a Deus … porque fostes enriquecidos em tudo…… e tornou-se firme em vós o testemunho de Cristo”. Paulo reconhece que a comunidade tornou-se firme e dava testemunho de Cristo. Um óptimo elogio, para essa comunidade. Também nós precisamos de ter vivo o nosso encontro com Jesus.

  1. Advento: O nosso compromisso com o Reino

Evangelho

     O Evangelho de Marcos convida os discípulos a terem a certeza de que o “Senhor vem”. Ensina também que esse tempo de espera deve ser um tempo de compromisso activo com a construção do Reino de Deus.  

     Jesus conta uma parábola dizendo: Um homem ia partir de viagem e deu plenos poderes aos seus servos… Eles deviam cumprir as suas tarefas, contando com o regresso do patrão.

     Depois de contar esta parábola, Jesus disse aos discípulos: "vigiai, porque não sabeis quando virá o dono da casa”. Os servos desta parábola somos nós, o dono da Casa é Deus.

   Não devemos entender a vinda do dono da casa [o Senhor] como ameaça, nem com temor, mas com desejo de fidelidade à fé cristã.

     Hoje vivemos uma dificuldade: a agitação exterior; nas estradas o fluxo de trânsito: carros ligeiros; autocarros de passageiros; camiões de cinco rodados… E talvez tenha de ser assim. Mas que acontece? Em vez do silêncio interior que dá vida, temos o barulho e a agitação exterior que dificulta a reflexão. A vigilância, no sentido humano e cristão, dá-nos segurança.  

     “Estou à porta e bato…” – diz-nos o Senhor no Apocalipse (3, 20). Nunca estaremos sozinhos. O Senhor caminha connosco, e ama-nos. Neste caminho, para o Natal, o Senhor chama-nos a abrir a porta do coração. Uma porta que se abre por dentro. Vinde, Senhor Jesus.

P. António Gonçalves, SDB

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub