Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

21
Mai21

Domingo de PENTECOSTES


Oliveira

Proposta de Homilia para a Solenidade do Pentecostes – ANO B - 2021

Domingo, 23 de Maio de 2021

Espírito Santo enviado para vida da Igreja    

     Irmãs e Irmãos, quem é o Espírito Santo, enviado aos apóstolos e a Nossa Senhora? Uma pergunta existencial, que tem a ver com todos nós.

  1. O Espírito Santo enviado por Jesus.

      Evangelho

  Irmãs e Irmãos, neste dia de Pentecostes, rezamos com toda a confiança: “Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis, e acendei neles o fogo do vosso amor”. Quem é o Espírito Santo?  

O Evangelho de São João mostra-nos Jesus no dia de Páscoa. Apareceu aos Apóstolos: “soprou sobre eles e disse-lhes: recebei o Espírito Santo”. Deu-lhes o poder de perdoar os pecados: “A quem perdoardes…ficarão perdoados”; e enviou-os em missão: “Como o Pai me enviou, também Eu vos envio”.  Jesus, com os Apóstolos, forma uma comunidade viva, nova, animada pelo Espírito Santo, pronta para a missão: o começo da Igreja.

2.  Espírito Santo manifestado no vento e no fogo.

Primeira Leitura

     Como se manifestou o Espírito Santo no dia de Pentecostes? São Lucas indicou-nos os sinais: “fez-se ouvir uma forte rajada de vento; e viram aparecer uma espécie de línguas de fogo sobre cada um dos apóstolos e Nossa Senhora. E “Todos ficaram cheios do Espírito Santo”.

     O vento, sinal de respiração e de vida; e línguas de fogo, sinal de luz e calor para a evangelização. Esta graça acontece na Igreja de modo particular no Sagrado Crisma. Diz o bispo, aplicando o crisma consagrado: “Recebe, por este sinal, o Espírito Santo, o Dom de Deus”. Vida nova; Lei nova; comunidade nova.

  1.  Espírito Santo, unidade e amor.

      Segunda leitura

      Quando nós rezamos a doxologia “Glória ao pai e ao Filho e ao Espírito Santo”, adoramos as três pessoas da Santíssima Trindade. Quem é o Espírito Santo? É o Amor do Pai e do Filho. Deus é Trindade. “Ó Deus, Tu és três”, assim rezavam uns cristãos simples e sábios[1]. O Espírito Santo é o Amor na Santíssima Trindade.

     Um fruto do Espírito Santo é a união: todos entendiam a linguagem dos apóstolos. O contrário é o pecado, que provoca a desunião: caso da torre de Babel, com a confusão das línguas. Acontece hoje nos conflitos.  

     São Paulo explica-nos: “Assim como o corpo é um só e tem muitos membros, e todos os membros… constituem um só corpo, assim também sucede com Cristo… Todos nós fomos baptizados num só Espírito, para constituirmos um só corpo”. O que une os esposos? O Amor. Um professor perguntou a um estudante do 6º ano, no seu aniversário natalício: - “Que te vai oferecer a tua mamã?” -  “Amor”, respondeu ele.   

     Os apóstolos receberam o Espírito Santo, sentiram o amor de Deus, e inflamados por esse amor, entraram no caminho da evangelização: de Jerusalém à Judeia, à Samaria, à Grécia,  a Roma,  ao mundo…. O Espírito Santo faz de nós profetas, homens novos, mundo novo.

     A presença de Maria

     São Lucas (1,12-14), narra: “todos estes (Apóstolos), unânimes, perseveravam na oração com algumas mulheres, entre as quais, Maria, a Mãe de Jesus” (AT. 1, 12-14). Maria pertence, desde o início, à vida da igreja. Viveu a experiência do Espírito Santo, que tinha realizado nela o milagre da Encarnação de Jesus.

    O Papa Francisco recorda-nos: “No tesouro do coração de Maria estão também todos os acontecimentos de cada uma das nossas famílias, que ela guarda solicitamente” (A Alegria do Amor n. 30). Já Paulo VI tinha dito: “Que Nazaré nos ensine o que é a família, a sua comunhão de amor, a sua austera e simples beleza, o seu carácter sagrado e inviolável…»[2]  Com Maria, defendamos a família, no matrimónio cristão.   

P. António Gonçalves, SDB

 

[1] José Tolentino de Mendonça, Elogio da Sede.

[2] Paulo VI, Alocução em Nazaré, 05.01.1964; cit. em A Alegria do Amor, n. 66.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub