Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

10
Jun23

10.º DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO - A


Oliveira

Sugestão da homilia para o DÉCIMO DOMINGO DO TEMPO COMUM - Ano A - 2023 

Deus quer a misericórdia

Domingo, 11 de Junho de 2023

  1. Misericórdia e amor

      Primeira leitura

     Algumas pessoas querem agradar a Deus, mas não escolhem o bom caminho. Fazem sacríficos, mas sem amor. E Deus quer acima de tudo o amor. O profeta Oseas sentiu que a verdade está no amor e na misericórdia. E conhecendo essa falta, mostrou ao povo desagrado, dizendo: “O vosso amor é como o nevoeiro da manhã, como o orvalho da madrugada, que logo se evapora”.

     Nós queremos a verdade em nossa vida para com Deus, manifestando-lhe o amor sincero. Oseias dá o tom a este domingo: “Eu quero a misericórdia e não o sacrifício”. O que é a misericórdia? É a compaixão, a piedade, o perdão. É não ter uma pedra na mão para ferir alguém. É abrir o olhar e o coração para quem precisa.

     Nesta página de Oseias encontramos o que mais tarde vai dizer também Jesus: “Prefiro a misericórdia ao sacrifício” (Mateus 9, 13). Ora nós sabemos que os actos puramente exteriores não agradam a Deus. O que lhe agrada é o amor sincero. Dizer coisas bonitas é fácil, mas o mais importante é realizar boas acções com amor.

  1. Misericórdia e fé

    Segunda leitura

      São Paulo, na Carta aos Romanos (4, 18-25), vai direito ao essencial, na relação de cada um com Deus: a urgência da fé. Temos na história bíblica um grande exemplo de homem de fé: Abraão. Neste personagem vê São Paulo um grande modelo: foi chamado a ser o pai do povo de Deus. Julgo que ele compreendeu que Deus queria fazer com ele uma grande aliança.  Este chamamento não estava nos projectos do patriarca Abraão. E a sua resposta foi um sim de muito valor; a sua atitude mostrou total fidelidade ao que Deus lhe pediu. Foi total a sua confiança. Deixou o lugar onde habitava; não sabia tudo o que Deus esperava dele. Mas disse sim e cumpriu. Porque teve fé. Que significa ter fé? É confiar em Deus. E é pela fé que somos pessoas de misericórdia.

          A nossa confiança no poder de Deus tem de começar por um acto de fé. Deixar os nossos ídolos e acolher as promessas do Senhor. Deus é sempre fiel, mesmo quando nós falhamos.

  1. Misericórdia é responder sim

     Evangelho

     “Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores”. Palavra de Jesus, talvez a propósito de ter chamado Mateus: “Jesus ia a passar, quando viu um homem chamado Mateus, sentado no posto de cobrança dos impostos, e disse-lhe: “segue-Me”. O evangelho acrescenta: “Ele levantou-se e seguiu Jesus”. Mateus compreendeu bem Jesus. Sabemos que ele tinha um emprego lucrativo. Mas não se ficou nos seus raciocínios e seguiu Jesus. Este, por sua vez, repetiu a palavra de Oseias: “prefiro a misericórdia ao sacrifício”.

     Não vos parece que o mundo precisa deste chamamento de Deus e a nossa resposta? Precisamos do novo formato de vida apresentado por Jesus.

     Deus é sempre jovem, e convida-nos a uma vida nova, a ser pessoas novas pela misericórdia, para um mundo novo, sem guerras.

     Confiemos sempre no Senhor e na sua misericórdia. “Se vos amardes uns aos outros, todos reconhecerão que sois meus discípulos” (João, 13,35). Que o Senhor nos oriente neste caminho. Assim seja.

Pe. Antonio Gonçalves, SDB

05
Jun23

UMA LEI REVERSÍVEL


Oliveira

Foi publicado no jornal da «Voz da Verdade». E é a oportunidade que se pretende oferecer neste Blog. Sendo um dos objectivos da COPAAC pugnar pela Verdade, pela justiça e pelos valores do Evangelho e testemunhar com audácia no mundo quase já a perder referências das nossas tradições familiares, humanas e cristãs, propomos a leitura de mais este artigo, agradecendo ao Autor o entendimento autêntico, sensato, honesto que muito bem sabe exprimir.

AGPires

            Parece ter chegado ao fim o processo que conduziu à aprovação da lei que legalizou entre nós a eutanásia e o suicídio assistido.

            Ao longo de toda a discussão desta proposta, eu, como quase todas as pessoas que a ela se opunham, fomos alertando para o perigo do alargamento progressivo do campo dessa legalização. A experiência de outros países que enveredaram por esse caminho revela-o bem. Não se trata de um fantasma alarmista, mas de uma consequência lógica. As metáforas para descrever este fenómeno abundam: a “rampa deslizante” que não impede a descida contínua e imparável, a janela que se abre e que o vento forte impede de voltar a fechar, o alicerce que se derruba e leva à derrocada completa de um edifício.

            Assim, de forma mais ou menos recorrente e mais ou menos rápida. se vai passando da eutanásia em situações de doença terminal a situações de doença incurável ou deficiência; da eutanásia em situações de sofrimento físico a situações de sofrimento psíquico ou espiritual; da eutanásia com pedido atual à eutanásia com pedido antecipado; até chegar à eutanásia de doentes mentais ou sem pedido expresso (em casos de grave deficiência); da eutanásia de adultos à eutanásia de adolescentes, crianças e recém-nascidos. Chega a advogar-se a eutanásia fora de situações de doença (na Holanda discute-se tal proposta há vários anos e o Tribunal Constitucional alemão admite o suicídio assistido também para além de situações de doença).

            Convém ainda ter presente que em todos os países que legalizaram a eutanásia e/ou o suicídio assistido se vem assistindo ao invariável incremento da frequência da sua prática. É sobretudo o clima cultural que a legalização gera a explicar tal fenómeno: o que era impensável passa a ser normalizado.

            Embora os seus partidários digam que a lei portuguesa agora aprovada é das mais restritivas e oferece garantias que impedirão os abusos, certo é que com ela se dão já alguns dos passos acima indicados. A legalização já não se limita a situações de doença terminal. é inequívoco que a eutanásia e o suicídio assistido podem praticar-se em situações de doença grave incurável e de deficiência. A definição do tipo de sofrimento que pode justificar essa prática é das mais amplas, não exclui o sofrimento psíquico e espiritual, segundo um critério que, em última análise, depende do requerente, tornando-se, desse modo, completamente subjetivo.

            As notícias que dão conta do alargamento progressivo dos campos de aplicação da legalização da eutanásia e do suicídio assistido sucedem-se com regularidade. As duas últimas são recentes e dizem respeito à Holanda (país pioneiro nessa legalização) e ao Canadá (país onde tal legalização é mais recente, mas onde tal alargamento tem sido mais rápido).

            Na Holanda, onde já é legal a eutanásia de recém-nascidos (em caso de deficiências graves) e de adolescentes maiores de doze anos, propõe-se a legalização da eutanásia de crianças até aos doze anos. No Canadá, onde a legalização da eutanásia começou por se restringir às situações de doença terminal e rapidamente se estendeu às situações de doença incurável e deficiência, prevê-se para breve a legalização da eutanásia de crianças e doentes mentais.

No Canadá, dois casos recentes vieram abrir outro campo de alargamento da prática da eutanásia, particularmente perigoso e preocupante. Duas pessoas vítimas de uma doença cujo tratamento exige condições fora do alcance das suas capacidades económicas pediram a eutanásia com esse mesmo fundamento. Autores influentes, embora reconhecendo que deverá ser dada prioridade, por razões de justiça social, ao acesso dessas pessoas a tais condições de tratamento, não deixam de afirmar que, por uma razão de respeito pelo princípio de autodeterminação, a possibilidade de prática da eutanásia não deverá ser afastada nessas situações (assim o artigo de Kayla Wiebe a Amin Mullin, da Universidade de Toronto, “Choosing death in unjust conditions, hope, autonomy and harm reduction”, publicado na revista Journal of Medical  Ethics). O que levará necessariamente à opção pela eutanásia quando os necessários tratamentos de qualquer doença em causa sejam particularmente onerosos, um perigo ainda mais acentuado em países como o nosso, sem os recursos do Canadá.

É bom estar a par de todos estes perigos a que também agora estamos sujeitos depois da legalização da eutanásia e do suicídio assistido.

No entanto, também é bom salientar que não estamos perante algum determinismo histórico, ou algo de inevitável. Todos estes perigos podem ser evitados se a lei agora aprovada vier a ser revertida (mas apenas nesse caso). É verdade que tal nunca aconteceu noutros países que deram esse passo da legalização. Mas não tem de ser necessariamente assim. No que se refere às chamadas “leis fraturantes”, estamos habituados a que os seus partidários não desistam enquanto não as aprovam. Não se compreende porque é que os seus adversários hão de desistir de as reverter depois de elas serem aprovadas.

Numa democracia, leis como esta não podem ser intocáveis ou irreversíveis. Sê-lo-ão apenas normas fundamentais assentes no direito natural, normalmente contidas na parte da Constituição relativa aos direitos fundamentais. E não é esse o caso desta lei, que, pelo contrário, fere o princípio constitucional (que, esse sim, deveria ser intocável e irreversível) da inviolabilidade da vida humana.

Pedro Vaz Patto

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub