Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

04
Fev22

O MÉTODO DE HONDT USADO PARA CONVERTER VOTOS EM MANDATOS É INJUSTO


Oliveira

(Partilho mais uma publicação do nosso prezado jornalista António Justo que nos pode proporcionar uma reflexão sobre um assunto muito pertinente.

A. G. Pires)

PS e PSD precisam de 20 mil votos por deputado e o CDS com 87.000 Votos não teve nenhum

Os centristas (CDS) foram castigados não só pelos eleitores como também pelo método de contagem. O CDS que nas eleições legislativas de 2022 teve mais votos (87.000) do que o PAN (82.000) e do que o livre (69.000) ficou a ver navios com zero deputados, enquanto que o PAN e o Livre elegeram um deputado cada um. Além disso os partidos maioritários são favorecidos com o acréscimo de alguns deputados!

Esta injustiça deve-se ao método de Hondt (1) usado e consagrado pela Constituição portuguesa. Este método matemático, ao converter votos em mandatos, beneficia os círculos eleitorais com mais população e prejudica os partidos mais pequenos em benefício dos grandes. Por outro lado, muitos milhares de votos são ignorados; ou seja, quanto menor o círculo, mais votos ficam perdidos sem efeito de votação!

As fórmulas matemáticas usadas (método de Hondt) discriminam os mais fracos favorecendo os partidos maiores com o argumento de favorecer a governabilidade.

Um dos métodos para diminuir a discriminação poderia ser criar um círculo único a nível nacional e no que respeita aos partidos que individualmente não conseguirem eleger deputados, passar-se a juntá-los em partido único (somar os números dos votos desses partidos para efeito de contagem útil) e dividir os daí resultantes deputados por cada um desses partidos. Isso evitaria também que muitíssimos dos votos das novas forças parlamentares não se tornassem propriamente nulos por não serem convertidos em mandatos.

Se fosse aplicado em Portugal o método de Webster, teríamos um sistema de eleição mais justo: o método de Webster é empregado na Alemanha, Dinamarca, Noruega e vários outros países.

Assembleia da República é composta por 230 deputados que representam o país e os círculos eleitorais pelos quais foram eleitos!

Conclusão, o nosso sistema eleitoral deveria ser reformado para ser partidariamente mais democrático. Para revisão da Constituição seria necessária a aprovação de uma maioria de dois terços dos deputados. Isso torna-se impossível porque as maiorias partidárias parlamentares são as beneficiadas pelo método usado e, porque isso tocaria com eles, preferem deixar a democracia à porta; o sistema está para revisão há já 20 anos, mas a comissão para o efeito, tal como é objectivo de muitas comissões, é mais um alibi, para dar impressão ao povo de que se leva a democracia a sério!

António da Cunha Duarte Justo

Notas em Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=7056

(1) O método Hondt é um modelo matemático utilizado para converter votos em mandatos e fomenta a abstenção .

https://www.gqportugal.pt/o-sistema-eleitoral-portugues  e

https://www.cne.pt/content/metodo-de-hondt

03
Fev22

ENSINA-NOS A REZAR TUDO


Oliveira

Partilho o texto da meditação de terça feira, para a meditação e oração do terço, do Cardeal José Tolentino de Mendonça, enviado pelo Ir. Manuel Silva.

(A. Oliveira)

Ensina-nos, Senhor, por fim, a rezar tudo, sem nos deixarmos bloquear pelas nossas inseguras reticências ou nos perdermos naquelas escolhas que tornam tantas vezes a nossa oração artificial e abstracta.

Ensina-nos a rezar o silêncio deste instante que tem para nós o sabor de uma trégua, mas a colocar sob o Teu olhar também o desacerto, e o seu escuro fundo, também o turbilhão, também a curva precipitada e imatura daquilo que nos habita.

Ensina-nos a rezar o transparente brilho onde facilmente Te reconhecemos, a celebrar-Te na alegria, na respiração leve de tudo o que é puro, quando a felicidade nos parece uma coisa cheia de razão. Mas ensina-nos a rezar igualmente o tempo confuso que nos cabe, o nosso quinhão de infelicidade, as esperas dolorosas, o coração naufragado na avalanche de mil medos, o pensamento por demasiado tempo fixado na noite.

Ensina-nos, Senhor, a fazer memória da multidão de pequenos milagres de que somos testemunhas e portadores: a pedra que se torna ave, a semente multiplicada que enche de abundância os campos, o gesto de amor que julgávamos ínfimo até que começou a florir. Mas ensina-nos a confiar-Te também a escassez onde alguns dos nossos sonhos se despenham, os pulsos que doem quando conduzimos por longo tempo o arado ou quando, sem sabermos bem porquê, a solidão se sobrepõe à certeza da Tua presença.

Ensina-nos, Senhor, a rezar tudo: o dom e o desejo; o intacto e o que se rompe; o que se encontra e o que se perde; a meta e o início do caminho; a água e também a sede.
Cardeal José Tolentino de Mendonça
1.02.2022

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub