Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

Espaço aberto a comunicações de antigos alunos do ensino católico em Portugal.

CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ANTIGOS/AS ALUNOS/AS DO ENSINO CATÓLICO

31
Jul20

Cultura e Pastoral da Cultura - Actualidade

Novas sugestões


Oliveira

A COPAAEC agradece quanto extracta da página da Pastoral da Cultura para possibilitar aos leitores do blog que não acederam a tão excelentes textos.

(A. G. Pires)

O dom de ter uma pessoa boa junto de nós

Se tivesse de escolher a mais essencial entre todas as qualidades a procurar na pessoa com quem partilhar a vida, direi que a coisa, em absoluto, mais importante seria encontrar, se possível, uma pessoa boa. Não que sejam irrelevantes a beleza, a inteligência, o espírito empreendedor, a capacidade de ter sucesso; mas nenhuma destas qualidades, por si só, é a crucial na vida em comum.

Saiba mais

Deus é importante na tua vida?

Qual é a relação entre acreditar em Deus e comportamento moral? E quanto são importantes Deus e a oração na vida das pessoas? O Pew Research Center (EUA) colocou estas perguntas, em 2019, a 38 426 pessoas em 34 países. Os resultados apontam para respostas diferenciadas de acordo com a região do globo, o rendimento, a instrução e tendências políticas.

Saiba mais

Mulheres crucificadas pela prostituição:

Como pensamos e usamos quem é fraco

«Experimentai caminhar também vós, como irmãos e irmãs, pela estrada das mulheres compradas e vendidas como escravas do sexo. Faço-o há 30 anos, e compreendi que a abominação do tráfico de seres humanos, antes de se revelar um negócio para as organizações criminosas, é um “habitus mentis”. Isto é, uma maneira de pensar o mais fraco, na esteira de uma envenenada mentalidade que está na base de um processo do qual só vemos a triste ponta do icebergue.» Testemunho no Dia Mundial Contra o Tráfico de Pessoas.

Saiba mais

Entrar é um trauma. Sair também pode ser

Quase todos os dias vejo entrar novos detidos, mas vejo também aqueles que saem, com as suas bolsas e sacos pretos, iguais aos do lixo. Há quem vá para uma comunidade, outros para casa, e há quem se torna livre. Mas se quem vai para casa ou para uma comunidade já tem algumas certezas sobre o seu futuro próximo, muitos “libertos” não têm nenhuma. Para muitos deles, aliás, só há um grande ponto de interrogação: para onde ir?

Saiba mais

Quer abrir as portas de uma igreja fechada?

Agora já pode: basta tocar no telemóvel

Depois de descarregar a aplicação (“app”), o utilizador regista-se e agenda a visita gratuita. Chegado ao local, no horário selecionado, basta enquadrar um código QR (“QR Code”) no telemóvel para abrir a porta da igreja. «A beleza é uma ajuda para acreditar na vida: para isso é importante que o projeto Igrejas de portas abertas continue e cresça», declarou o bispo de Pinerolo, em Itália.

Saiba mais

Pão de Deus dado e doado

Evangelho do pão que trasborda das mãos, dos cestos. Sinal a proteger com particular cuidado, narrado por seis vezes pelos Evangelhos, repleto de promessas e profecia. O milagre do pão é narrado como uma questão de mãos. Então, abre as tuas mãos. Qualquer que seja o pão que podes dar, não o retenhas, abre a mão fechada. Imita o rebento que se entreabre, a semente que se fende. Meditação sobre o Evangelho do próximo domingo.

Saiba mais

29
Jul20

Cultura e Pastoral da Cultura - Actualidade


Oliveira

A COPAAEC agradece quanto extracta da página da Pastoral da Cultura para possibilitar aos leitores do blog que não acederam a tão excelentes textos.

(A. G. Pires)

Cardeal Tolentino e

“A atualidade de Frei Agostinho da Cruz"

Frei Agostinho da Cruz faz-nos ouvir a voz silenciosa da natureza como exalação privilegiada da música de Deus. Por isso não constituem uma distração as referências à toponímia do território. De peixes se enche a sua poesia, e o mesmo sucede com as notícias do herbário da serra onde identifica o medronho, a aroeira, a esteva, o lírio e o zimbro. Queria fixar-me nesse relato quase cinematográfico de uma refeição que surge numa das suas éclogas e que pode simbolicamente como que descrever a relação que a sua poesia estabelece com o mundo em redor e com o leitor, mantendo por um lado a aguda consciência de uma conversão necessária (que a alma «em puro fogo acesa,/Não sinta, nem consinta, outro desejo,/ Se não ficar do divino amor presa»), mas não deixando de afirmar por outro que a vocação do homem é ser cantor do real e que o seu horizonte é a festa.

Saiba mais

Temas ecológicos: Pecado e poluição

O ser humano usou a possibilidade com que foi dotado de poder escolher sempre o bem do mundo, escolhendo nem sempre esse mesmo bem: as dentadas na maçã são de isso símbolo. É, assim, o ser humano que introduz o desequilíbrio ecológico no mundo criado. Esta consciência é, assim, já muito antiga, muito mais antiga do que o termo «ecologia», coincidente com o que esse termo designa e que é, deste modo, algo de muito, muito, antigo em termos de intuição humana do que o seu papel negativo no seio do mundo. Deste ponto de vista, o primeiro texto ecológico no sentido mais profundo da ecologia como relação do ser humano com o mundo de que faz parte, na tradição judaico-cristã, é o próprio Génesis, logo nas suas primeiríssimas páginas.

Saiba mais

“As respigadoras”: A epopeia da humilde gente

«Como podereis compreender do título dos meus quadros, não há mulheres nuas ou sujeitos mitológicos. Quero cimentar-me com temas diferentes destes. Ao preço de passar ainda mais por socialista, é o lado humano, genuinamente humano, aquilo que na arte me toca mais. E nunca é o lado feliz aquilo que me surge, não sei onde está e nunca o vi. Aquilo que de mais alegre conheço é esta calma, este silêncio de que se usufrui tão intimamente no interior do bosque ou nos campos. Dir-me-eis que este discurso é muito de sonhador, de um sonho triste, ainda que dulcíssimo, mas é aí, a meu ver, que se encontra a verdadeira humanidade, a grande poesia.»

Saiba mais

A imprevisibilidade

e o camaleónico ecletismo de Peter Sellers

«Não há qualquer profundidade nas suas máscaras: há, antes, uma extraordinária riqueza de comportamentos, de tiques físicos e linguísticos, uma labiríntica construção da personagem que não pressupõe minimamente uma pessoa. Quem é o Dr. Estranho Amor, de onde sai repentinamente, que infância viveu? Perguntas supérfluas: entra em cena, abre a boca e decide os destinos do mundo. Quem é Chance, o jardineiro, porque é que se reduziu assim? Quem é o inspector Clouseau, como fez carreira, porque tem um empregado japonês? Quem é Clare Quilty, como conheceu Lolita, o que o leva a travestir-se de maneira compulsiva? De novo: perguntas supérfluas. São personagens que existem nos actos que realizam, e quando entram em cena mudam o mundo à sua volta.»

Saiba mais

 

28
Jul20

ACEITEMOS OUVIR E SEGUIR A VOZ DO PAPA FRANCISCO


Oliveira

NÃO BASTA LER OU OUVIR A VOZ  DO PAPA

....não faz mal repetir...só recordar... 99% das pessoas a quem perguntamos o que mais querem a resposta é sempre a mesma: Serem felizes !  Mas é preciso fazer algo para sermos felizes e este texto do Papa é uma excelente resposta e solução .

Para ser feliz, um passo gigantesco é, talvez só... sentirmo-nos ÚTEIS.

(A. G. Pires)

P-Francisco.jpg

 

27
Jul20

OS AVÓS - mestres de uma arte esplêndida


Oliveira

Uma reevocação do DIA DOS AVÓS

Um convite cordial para quem não tenha tido oportunidade de ler este texto do cardeal D. José Tolentino Mendonça sobre os AVÓS.

(A. G. Pires)

DIA DOS AVÓS - 26/07/2020

«Os avós são mestres de uma arte esplêndida e rara: a arte de ser. Os avós sabem tornar um mero encontro quotidiano numa apetitosa celebração. Sabem olhar e olhar-nos sem pressas, vendo-nos esperançosamente mais adiante. Sabem dar valor às coisas de nada. Nunca consideram que quando se entretêm connosco estão a perder tempo, muito pelo contrário. Sabem que o amor dá-se bem com essa gratuita condivisão. Os avós são docemente silenciosos, mesmo se muito tagarelas. Os avós parecem distraídos, e isso é bom. Os avós caminham a nosso lado sem pressa. Têm tanto de distante como de próximo no arco do tempo. Têm uma sabedoria que se expressa por histórias calorosas e não por conceitos. Têm uma memória que nos parece inesgotável, cheia de aventuras, de bagatelas e de detalhes para divertir. Têm armários carregados de objectos (alguns incompreensíveis) que nos põem a sonhar. Apresentam-nos a gostos e a sabores que passamos a identificar com eles. Os avós já foram muitas vezes aos lugares onde nos levam pela primeira vez.

Chamam a atenção para coisas incalculáveis, como a forma de uma nuvem ou a cor diferente que ganham as folhas. Ensinam-nos com serenidade, colocando-se a nosso lado. Nunca acham despropositada a fantasia, nem os medos, nem o mimo. Têm o sentido das pequenas coisas e colos onde cabem as grandes. Eles não separam, como o resto das pessoas, aquilo que é útil do que é inútil. Fazem-nos sentir que é assim, que já passaram por isso e que existe uma solução que nos vão revelar, só a nós, como um grande segredo. Amparam os nossos desequilíbrios com o corrimão invisível e seguro do seu afecto, disponíveis degrau a degrau. Adivinham o que não dizemos sem se confundirem com a nossa confusão. Quando não estão connosco, pensam em nós, repetem aos amigos as frases que dissemos, disputam-nos, orgulham-se de coisas parvas, como o modo como sorrimos ou respiramos. Penso que se sentimos tão intensamente que os devemos salvar é porque percebemos, desde muito cedo, que somos salvos por eles».

D. Tolentino Mendonça

25
Jul20

A CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO EUROPEIA SÓ PRODUZIU VENCEDORES


Oliveira

Europa entre nacionalismos económicos e internacionalismo de valores

António Justo, jornalista (AAS)

A Cimeira da UE (27 Chefes de Estado e do Governo) aprovou o pacote orçamental e o pacote Fundo de Recuperação que atingem uma soma de 1,8 triliões de euros. O Parlamento Europeu parou por agora o pacote orçamental com o objectivo de obter mais dinheiro para a protecção do clima, saúde e estudantes.

Da imprensa alemã trespassa, em geral, um ar de alívio e de contentamento pelo acordo atingido na Cimeira. 

Os 1,82 triliões de euros distribuem-se por dois pacotes: o Fundo de Recuperação (uma espécie de “Marshall plan”) que está limitado até 2023 e compreende 750 mil milhões, dos quais 390 mil milhões são concedidos sob a forma de subvenções e 360 mil milhões sob a forma de empréstimos. 70% do Fundo de Recuperação está reservado para 2021 e 2022 e o restante para 2023. Os países devem candidatar-se (propor) a projectos para a agricultura, clima, assuntos sociais e infraestruturas, que a comissão examinará num prazo de 3 meses.

O segundo pacote diz respeito ao orçamento da UE até 2027, que ascende a 1027 mil milhões de euros. Deste surgirão ainda disputas para novas cedências! No parlamento europeu haverá margem para os deputados se dedicarem ao debate ideológico de valores (com a Polónia e a Hungria).

A Grande novidade: Pela primeira vez na história da EU a Comissão da UE foi autorizada a contrair empréstimos em nome de todos os 27 estados membros, o que significa uma cedência a uma União das Dívidas, aquilo que os países do Norte não querem.  A Comissão Europeia pode comprar nos mercados financeiros Obrigações que aí se encontram para venda. Os programas de ajuda são financiados por uma nova dívida dos governos. O reembolso das dívidas deve começar antes de 2027 e decorrer até 2058. Para o orçamento da UE não ser sobrecarregado são criadas novas fontes de rendimentos para a UE. A Cimeira decidiu introduzir um imposto digital (sobre empresas digitais) e um imposto sobre o plástico e por cada tonelada de resíduos plásticos que não seja reciclada, o Estado em causa deverá pagar 800 euros a Bruxelas. Querem também alargar o comércio de emissões ao transporte aéreo e marítimo e reactivar um imposto sobre transacções financeiras.

O mais importante são os 750 mil milhões de euros que irão ajudar a recuperar especialmente os Estados do Sul da Europa em dificuldades.

Com o Fundo de Recuperação, foi quebrado um tabu criando-se assim o precedente para as transferências de fundos e para a comunitarização das dívidas dos Estados. O reembolso das dívidas do Fundo Corona irá dar muitas voltas e conduzirá um dia à criação de um imposto comum da UE que se prepara assim, passo a passo, para a integração das economias nacionais e uma união fiscal. Surgirão esforços no sentido de tais impostos fluírem directamente para o orçamento de Bruxelas e assim tornar a UE menos dependente das taxas nacionais de adesão. O poder central ganha independência à medida que controla a economia e a ideologia (correspondentes valores).

Depois do Euro, este é o segundo passo importante para uma união fiscal e para possibilitar integração económica (centralização das economias) dos membros da UE. O problema que os Estados mais fortes ainda têm é não terem conseguido até agora acabar com a prática da necessidade de unanimidade dos Estados membros, no caso de decisões importantes que obriguem todos os membros. A abolição da regra da unanimidade entre os membros constitui o nó górdio que os países fortes querem desfazer! Ao pobre necessitado não se coloca o problema da soberania! Quando nele o estômago produz rumores todo o organismo se cala!

Apesar do desfalque causado pelo Brexit, conseguiu-se criar um instrumento europeu de apoio temporário para regular os riscos de desemprego a nível regional.

Um outo Novum que surgiu desta cimeira, em consequência do Brexit,  foi a criação de um novo centro de poder formado em torno dos “países poupadores” (Países Baixos, Dinamarca, Suécia, Finlândia e Áustria). O Norte rico que se considera a formiga “frugal” da UE não confia no Sul, qualificando-o de cigarra gastadora. Os cinco questionaram as subvenções que não devem ser usadas para financiar défices orçamentais conseguindo também mais controlo e um desconto nas suas contribuições orçamentais em troca da sua aprovação dos subsídios corona. (O cinismo de Mark Rutte dos Países Baixos, um dos grandes exportadores para a UE, está em conseguir, um desconto de 1,92 mil milhões de euros por ano no seu contributo para a UE (1).

Desta vez não temos troika, mas teremos controlo fiscal certamente mais eficiente no sentido do centralismo! O grupo dos poupados assume a velha posição de Schäuble numa constelação europeia diferente (já sem o Reino Unido, mas com muito nacionalismo). Actualmente a UE vai navegando nas águas de nacionalismos económicos contra nacionalismos de valores.

A soberania deixa aqui de existir, ou melhor, ficará sempre do lado da força económica! O facto é que foi dado mais um passo que revela a intenção de se transformar a UE numa potência mundialmente relevante ao lado dos EUA, China e Rússia.

António da Cunha Duarte Justo

Notas em “Pegadas do Tempo” https://antonio-justo.eu/?p=6016

AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NA ALEMANHA

No final de Junho de 2020, a Comissão de Salário Mínimo (patronato e sindicatos) tinha fixado o aumento do salário legal mínimo para os anos 2021 e 2022. O salário mínimo deverá aumentar em quatro etapas dos atuais 9,35 euros para 10,45 euros até 2022. O actual salário mínimo estatutário em 2020 é de 9,35 euros.

Como informa a imprensa alemã, o Ministro do Trabalho (SPD) tem como objetivo político aumentar o salário mínimo de 9,35 euros para 12€. Um objectivo que certamente não será de concretização imediata!

Um em cada quatro empregados na Alemanha ganha atualmente menos de 12 euros ilíquidos por hora.

O salário mínimo traz consigo um nível mínimo de protecção para os empregados.

Em Abril de 2020, na Alemanha havia 9,99 milhões de empregados que ganhavam menos de 12 euros por hora.

Na Alemanha Oriental, cerca de 36,7% dos empregados ganham menos de 12 euros. Na Alemanha Ocidental, 24,7% dos empregados pertencem a esta categoria.

A média dos ordenados horários ilíquidos para toda a Alemanha é de 19,37 euros (1).

Com a proposta do aumento do salário mínimo para 12% o SPD (membro da Coligação CDU/CSU e SPD) procura melhorar o seu perfil de advogado dos trabalhadores para as próximas eleições. 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo https://antonio-justo.eu/?p=6012

NO REINO DA CONFUSÃO
ISTO DÁ QUE PENSAR E PODE LEVAR A EVITAR EXTREMISMOS!
Copiado de José de Azevedo Coutinho

Esquizofrenia social:

Vivemos em uma época onde querem que os padres se casem e que os casados se divorciem.
Querem que os heterossexuais tenham relações sem compromisso, mas que os gays se casem na igreja.
Que as mulheres se vistam como homens e assumam papéis masculinos e que os homens se transformem em "frágeis" como mulheres.
Uma criança com apenas cinco ou seis anos de vida tem o direito de decidir se será homem ou mulher para o resto da sua vida, mas um menor de dezoito anos não pode responder pelos seus crimes.
Não há vagas para os pacientes nos hospitais, mas há incentivos e patrocínio para quem quer fazer mudança de sexo.
Há um acompanhamento psicológico gratuito para quem deseja deixar a heterossexualidade e viver a homossexualidade, mas não há nenhum apoio deste mesmo para quem deseja sair da homossexualidade e viver a sua heterossexualidade e se tentam fazê-lo, é um crime.
Ser a favor da família e da religião é ditadura, mas urinar sobre os crucifixos é liberdade de expressão.

Escrito pelo padre católico Gabriel Vila Verde, atualmente no Brasil.

23
Jul20

Sabedoria para o Reino de Deus


Oliveira

Homilia

XVII DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO A

Irmãs e irmãos, quando nos encontramos perante uma decisão a tomar, sabemos  escolher o que mais convém? Aplicamos a boa sabedoria para escolher? As nossas leituras são luz para o nosso caminho.    

  1. Sabedoria para escolher o que vale mais

Primeira leitura

Irmãos, se mostramos a um pré-adolescente um fio de ouro e um objeto electrónico de jogos, talvez ele escolha este objecto. Que fez o rei Salomão para escolher bem? Que pediu a Deus? Pensou nele e no seu povo, e rezou assim: “Dai ao vosso servo um coração inteligente,… para distinguir o bem do mal”. O que ele pediu agradou a Deus, que lhe deu sabedoria e mais bens. E gente de longe procurou esse rei para beber da sua sabedoria. A razão humana é um dom, e ajuda-nos a escolher, mas a razão fica engrandecida com outro dom maior: a Fé. Com este dom acertamos melhor.     

          Medito: É bom pensar e procurar o que mais vale.

  1. Sabedoria para escolher o Reino de Deus

Evangelho

O Evangelho coloca diante de nós imagens ou comparações para mostrar a verdadeira escolha a fazer na vida. Usa a imagem do tesouro e da pérola preciosa. Refere-se ao Reino de Deus.

Numa aula de Moral e Religião Católica o professor perguntou aos estudantes: “sabem o que é o Reino de Deus”? Um respondeu: “eu ouvi na missa que o Reino de Deus é como um tesouro, mas não sei bem o que é”. O professor ajudou os alunos a compreender isto: O mundo vive mergulhado num ambiente em que a força, o poder, o dinheiro são o grande ideal, isto é o reino do mundo material.

   Jesus, pelo contrário, diz que o Reino de Deus é amor, perdão, ajuda a quem precisa; é viver segundo o Evangelho de Jesus.

O Concílio Vaticano II ensina que o Reino de Deus se identifica com a Igreja.

A Igreja … recebe a missão de anunciar e estabelecer em todos os povos  o Reino de Cristo e de Deus, e constitui ela própria na terra o germe e o início desse Reino” (LG, 5).

Jesus começou a sua evangelização deste modo: “O Reino de Deus está próximo; acreditai no Evangelho” (Mc 1, 14-15). O Evangelho ainda não estava escrito. Jesus queria dizer que o Reino de Deus era Ele próprio. Tesouro e pérola, para entendermos: um homem encontrou um tesouro escondido num campo, fez tudo para comprar esse campo. O mesmo se passou com o comerciante de pérolas: encontrou uma de grande valor; vendeu o que tinha para comprar essa pérola.

Com estas imagens, Jesus ensina-nos o caminho da sabedoria para entrarmos no Reino dos céus. Quais são os valores da minha vida? Qual é o meu tesouro, a minha pérola preciosa? Conheço uma pessoa que comprou uma casa para fazer um Centro de espiritualidade. Como arranjou dinheiro? Ela respondeu: lembrei-me da pérola preciosa. A referida senhora tinha vendido outras coisas para ter aquele centro. Medito: Quero a sabedoria do Evangelho

  1. Sabedoria: para ser imagem de Jesus

    Segunda leitura

      Na carta aos Romanos São Paulo reconhece a nossa grandeza: “Deus predestinou-nos para sermos conformes à imagem de seu Filho”. Ou seja, qual é o projecto de Deus para nós? É sermos como o seu Filho Jesus. É muito! É o grande valor da nossa vida.

     Um dia, Jesus entrou na sinagoga. O empregado entregou-lhe o livro. Jesus leu esta passagem de Isaías: "O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele ungiu-me para evangelizar os pobres… dar a libertação aos cativos, recuperar a vista aos cegos, dar liberdade aos oprimidos, proclamar um ano de graça do Senhor. Estavam postos nele os olhares de todos”. Jesus disse: “Cumpriu-se hoje esta profecia” (Lc 4, 18). Ou seja: Eu vim para libertar, aliviar, curar. Ele é a sabedoria, o tesouro, a pérola preciosa.

           Medito: Coloquemos em primeiro lugar o Reino de Deus, a Igreja.

P. António Gonçalves, SDB 

23
Jul20

Cultura e Pastoral da Cultura - Actualidade

Nova sugestão de leitura


Oliveira

O Paraíso de Dante

O que diria sobre o primeiro móbile e sobre o empíreo? Sobre o ponto luminoso e sobre os nove círculos de fogo? Sobre o rio de luz e sobre a rosa celeste? Poderia falar sobre a oração de S. Bernardo, sobre a visão de Deus e a unidade do Universo, ou sobre os mistérios da Trindade e da Encarnação. Ou então perder-me-ia diante da beleza de Beatriz… e assim passariam os dez minutos que me destinaram. Pensei: direi que Beatriz – aí pelo capítulo XXX – ficou ainda mais bela. Mais direi, sem ceder à tentação de um discurso de feição edificante, que a proximidade de Deus redobra a beleza humana. E serei mais barroco do que a Igreja dos Clérigos quando disser – por certo com algum exagero, mas embrandecendo o coração de quem me escutar – que o meu desejo de ter uma filha que se chamasse Beatriz vem da beleza que entrevi, pelas palavras de Dante, no rosto iluminado da sua Beatriz.

Saiba mais

 

21
Jul20

Cultura e Pastoral da Cultura - Actualidade

Mais algumas sugestões de leitura


Oliveira

Leitura do dia: Quem é a minha mãe? Quem são os meus irmãos? Somos família

Muitas passagens das Escrituras sobre o relacionamento de Jesus com a sua Mãe são intrigantes. No Evangelho de hoje, Jesus diz que os seus discípulos são a sua família, por fazerem a vontade do Pai celestial. Antes de considerarmos exageradamente esta e outras passagens similares como sendo pessoais, a sua importância teológica pode ajudar a explicar o salto qualitativo implícito na identidade batismal em comparação com a identidade física nos Evangelhos. O significado desta distinção era tal, que os Evangelhos arriscaram ofender as nossas naturais sensibilidades sobre o amor da família, ao preservar todas estas citações.

Saiba mais

Covid-19: Bispo partilha em livro experiência pessoal de sofrimento, fé e esperança

«Gostei sempre muito de uma pungente recolha de dez poesias, escritas por Cesare Pavese entre 11 de março e 10 de abril de 1950. Intitula-se “Virá a morte e terá os teus olhos”. Hoje, pensando naquilo que vivi e no quanto desejo fazer, animado por um premente sentido de restituição, posso, por minha vez, dizer: “Virá a vida e terá os seus olhos”, incluindo nesse olhar Deus, que esteve junto de mim, e todos aqueles a que conseguirei chegar com a minha pobre voz.»

Saiba mais

O laborioso primado da consciência

Os cristãos não esqueçam a realidade da consciência, porque é nela que Deus pode falar: quando lê a Escritura, saiba que na sua consciência elas podem tornar-se Palavra endereçada pessoalmente a ele; quando pensa, exercite-se no discernimento, interrogando-se longamente, em vez de procurar respostas fáceis; quando reza, procure antes de tudo escutar mais do que falar a Deus. A voz de Deus é um «silêncio subtil», e, por vezes, se Ele parece mudo, é porque a surdez do crente se torna impedimento a uma verdadeira escuta; quando tem de fazer escolhas, invoque o «Espírito de sabedoria e de discernimento.

Saiba mais

20
Jul20

Cultura e Pastoral da Cultura - Actualidade

Novas sugestões de leitura


Oliveira

Paul Valéry: Poesia é a tentativa de representar em linguagem lágrimas, carícias, beijos, suspiros

Na madrugada de 5 de outubro de 1892, o poeta, escritor e filósofo francês (a 20 de julho passam os 75 anos da morte) decide repudiar os ídolos da literatura para consagrar a sua vida àquilo que indicou como «a via do espírito». Esta decisão é atestada nos seus “cahiers”, diários nos quais anotava, a cada manhã, as suas reflexões. A linguagem, em Valéry, estabelece uma ordem precisa, e essa ordem necessita da palavra, a única e fazer-se «sábia e universal».

Saiba mais

Estátua do Padre António Vieira: «Retrato superficial», «não tem qualidade estética que a absolva»

Transmitir mais espessura e densidade, destacar outras vertentes, porventura mais significativas para a contemporaneidade: estas são algumas das perspetivas suscitadas ao padre João Sarmento e ao curador Paulo Pires do Vale pela escultura do Padre António Vieira, em Lisboa. «Qual é a forma como desejamos este homem sem sermos anacrónicos?» «Se nenhuma iconografia diz a biografia toda, esta diz uma percentagem muito reduzida da personagem.» «A imagem está carregada de símbolos que não foram acautelados.»

Saiba mais

A paciência de Deus e a impaciência dos cristãos

Toscos como somos, e também algo autorreferenciais, corremos o risco de julgar os outros pelo nosso ponto de vista, apelando a convicções profundas, enraizadas, que, se exasperadas, se tornam ideologia, isto é, ideia erguida a dogma intangível, à qual se sacrificam inclusive vidas humanas. E pouco importa se essas ideias são inspiradas em Deus – aliás, será pior se o forem. Na História, nós, cristãos, cometemos abominações, fazendo o exato contrário daquilo que o Evangelho ensinava… referindo-nos ao Evangelho! Precisamos, antes, de um pouco de bom senso e de sã prudência, a fim de moderar o zelo da destruição e da solução final que todos trazemos no coração, belicosos como somos na nossa profundidade. A aparência engana, e Deus sabe-o bem.

Saiba mais

Quem anda à procura dos defeitos alheios não é bom colaborador de Deus, diz papa [Vídeo]

As palavras de Francisco foram proferidas antes da oração do Angelus, no Vaticano, a propósito da leitura do Evangelho proclamada nas missas deste domingo, em que Jesus apresenta a parábola do trigo e do joio. «Se Jesus veio procurar os pecadores mais do que os justos, para curar os doentes ainda antes do que os sãos, também a ação nossa, seus discípulos, deve ser direcionada não para suprimir os malvados, mas para os salvar», apontou.

Saiba mais

Vaticano: Nova constituição e cardeais com mais de 75 anos fazem antever muitas alterações e nomeações

A nova constituição sobre a Cúria Romana, que implicará alterações na orgânica de congregações e conselhos pontifícios, e o facto de muitos dos cardeais responsáveis por dicastérios terem ultrapassado os 75 anos fazem entrever várias mudanças nas chefias dos cargos mais importantes na estrutura do Vaticano. A Cultura, com o cardeal Ravasi, inclui-se neste amplo pacote de previsíveis alterações, a par de sectores responsáveis pela nomeação de bispos, disciplina dos sacramentos, educação e causas dos santos.

Saiba mais

20
Jul20

REZAR O VAZIO


Oliveira

Ensina-nos, Senhor, a rezar este vazio.

O vazio trazido por um medo que não conhecíamos e que parece agora um inquilino da nossa alma.

O vazio dos espaços confinados.

O vazio da vida, de repente, em suspenso.

O vazio das horas que quem está sozinho conta de forma diferente.

O vazio das incertezas que se amontoam e das quais ainda não falámos.

O vazio dos olhos dos que vemos sofrer e o vazio dos muitos que sofrem sem que nós o vejamos.

O vazio dos cuidadores ao final de turnos extenuantes.

O vazio dos que tiveram de continuar expostos, dia a dia, para que outros ficassem a salvo.

O vazio de tudo aquilo que, de um momento para o outro, ficou adiado.

O vazio daquela mulher idosa que passa o dia com o rosto encostado à janela.

O vazio das ruas donde nos chega um silêncio que não é um silêncio, mas uma espécie de acção de despejo da vida quotidiana. O vazio dos encontros e das conversas.

O vazio que os amigos pressentem.

O vazio das risadas.

O vazio de todos os abraços não dados.

O vazio da espontaneidade dos gestos.

O vazio da proximidade interditada.

O vazio deste verão que está a passar sem que notemos.

O vazio do sacerdote que celebra diariamente na igreja vazia.

O vazio das nossas igrejas onde Tu, Senhor, continuas presente, e dali nos ensinas a transformar os vazios.

20.06.2020 

Cardeal José Tolentino de Mendonça

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub